Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Silas Malafáia’

Este conteúdo está protegido por senha. Para vê-lo, digite sua senha abaixo:

Anúncios

Read Full Post »

A pergunta que todos faziam quando assistiam os ataques do chamado “pastor” Malafáia à homossexualidade era: “Por que este homem se preocupa tanto com a vida dos gays?” Qual seria o temor de Silas em relação ao “comportamento gay”?

Durante muitos anos essa pergunta martelou nas mentes daqueles que não se importavam com o ânus do próximo; com o que ele fazia, se era ativo ou passivo; ou se não era macho ou fêmea. Mas agora, graças à Ciência, essa indagação chegou ao fim!

Um artigo escrito por Contardo Calligaris publicado em 10/11/11 pela Folha de São Paulo revela o resultado de uma experiência feita com indivíduos homofóbicos, os quais apresentaram excitação diante de estímulos homossexuais. Eis o artigo:

“Desde o fim do ano passado, em São Paulo, assistimos a uma série de ataques brutais contra homossexuais ou homens que seriam homossexuais aos olhos de seus agressores.

No fim de 2010, por decreto da Presidência da República, foi estabelecida a finalidade do Conselho Nacional de Combate à Discriminação e Promoção dos Direitos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (parte da Secretaria de Direitos Humanos).

Mais recentemente, o Supremo Tribunal Federal reconheceu a união entre pessoas do mesmo sexo como unidade familiar. Não me surpreende que uma explosão de homofobia aconteça logo agora, pois, em geral, o ódio discriminatório aumenta de maneira diretamente proporcional aos avanços da tolerância.

Funciona assim: quanto mais sou forçado a aceitar o outro como igual a mim, tanto mais, num âmago que mal reprimo, eu o odeio e quero acabar com ele. Mas por que eu preferiria que o outro se mantivesse diferente de mim? Por que não quero reconhecê-lo como igual? O termo de homofobia, inventado no fim dos 1960, designa, mais que um preconceito, uma reação emocional à presença de homossexuais (ou presumidos homossexuais), num leque que vai do desconforto à ansiedade, ao medo e, por fim, à raiva e à agressão.

Numa entrevista na “Trip” de outubro (http://migre.me/6563w), apresentei a explicação clássica da homofobia do ponto de vista da psicanálise: “Quando as minhas reações são excessivas, deslocadas e difíceis de serem justificadas é porque emanam de um conflito interno. Por que afinal me incomodaria meu vizinho ser homossexual e beijar outro homem na boca? De forma simples, o que acontece é: ‘Estou com dificuldades de conter a minha própria homossexualidade, então acho mais fácil tentar reprimir a homossexualidade dos outros, ou seja, condená-la, persegui-la e reprimi-la, se possível até fisicamente, porque isso me ajuda a conter a minha'”.

Exemplo: se eu sinto (e não quero sentir) atração por um colega de classe do mesmo sexo, o jeito, para me convencer que não sinto atração alguma, é chamar esse colega de veado, juntar um grupo que, como eu, odeie homossexuais e esperar o colega na saída da escola para enchê-lo de porradas.

Um amigo me perguntou se essa interpretação da homofobia não era sobretudo uma forma de vingança: você gosta de agredir homossexuais pelas ruas da cidade? Olhe o que isso significa: você mesmo é homossexual. Gostou? O amigo continuou: “Isso não é bonito demais para ser verdade?”.

Pois bem, anos atrás, pesquisadores da Universidade da Georgia selecionaram 64 homens que (na escala Kinsey) se apresentavam como sendo exclusivamente heterossexuais. Todos foram testados por uma entrevista (clássica, o IHP) que estabelece o índice de homofobia, de 0 a 100. Com isso, foram compostos dois grupos: os não homofóbicos (IHP de 0 a 50) e os homofóbicos (IHP de 50 a 100).

Nota: chama-se pletismógrafo um instrumento com o qual se registram as modificações de tamanho de uma parte do corpo. Pois bem, todos vestiram um pletismógrafo peniano, graças ao qual qualquer ereção, até incipiente e mínima, seria medida e registrada. Depois disso, todos os 64 foram expostos a vídeos pornográficos de quatro minutos mostrando atividade sexual consensual entre adultos heterossexuais, homossexuais masculinos e homossexuais femininos.

À diferença do que aconteceu com o grupo de controle (ou seja, com os não homofóbicos), a maioria dos homofóbicos teve tumescência e ereção significativas diante dos vídeos de sexo entre homossexuais masculinos. Confirmando a interpretação da psicologia dinâmica: indivíduos homofóbicos demonstram excitação sexual diante de estímulos homossexuais.

Existe a possibilidade de que a excitação manifestada pelos homofóbicos seja efeito, por exemplo, de sua vontade de quebrar a cabeça dos protagonistas dos vídeos – existe, mas é remota (porque os 64 indivíduos da amostra passaram todos por um questionário que mede a agressividade, e ninguém se mostrou especialmente agressivo).

Para quem quiser conferir, a pesquisa, de Henry E. Adams e outros, foi publicada no “Journal of Abnormal Psychology” (1996, vol. 105, n.3), com o título “Is Homophobia Associated with Homosexual Arousal?” (a homofobia é associada à excitação homossexual?) e é acessível na internet.”

FONTE: [Clique aqui!]

Como ADORO matar a cobra e mostrar o porrete, segue as imagens dessa experiência maravilhosa que desmascarou milhares de “machos” religiosos enrustidos:

Será isso que tanto preocupa Silas Malafáia? Será medo de sentir atração por alguém do mesmo sexo? Quem sabe?

No momento só temos uma certeza: tanto os machos religiosos quanto os não religiosos têm que fugiu agora de certos estímulos visuais como o “diabo foge da cruz”, se não quiserem andar de pernas bem juntinhas escondendo uma súbita ereção que no mínimo lhes causará constrangimento diante do deus deles.

Read Full Post »

Este conteúdo está protegido por senha. Para vê-lo, digite sua senha abaixo:

Read Full Post »

É pessoal! Silas Malafáia não anda muito bem com o deus dele. Depois de muito orar e jejuar para que Jeová impedisse duas cidadãs de se casarem por serem lésbicas, o “pastor” não fez um comentário de protesto – no programa Vitória em Cristo neste último sábado (29/10) –  depois da decisão do STJ. Gostaria até de aconselhar ao Silas Malafáia que tendo em vista as derrotas e decepções que ele tem sofrido, bem que o título do seu programa poderia ser mudado para Derrota em Cristo!

Primeiro veja o apelo do religioso homofóbico aos seus seguidores:

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) reconheceu, em julgamento concluído nesta terça-feira (25/10/11), o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo. Quatro dos cinco ministros da quarta turma do tribunal decidiram autorizar o casamento de um casal de gaúchas que vivem juntas há cinco anos e desejavam mudar o estado civil.

O advogado do casal, Paulo Roberto Iotti Vecchiatt, sustentou que, “no direito privado, o que não é expressamente proibido, é permitido”. Ou seja, o casamento estaria autorizado porque não é proibido por lei. Mas aí é que está o problema! O casamento gay não é proibido por lei, mas é expressamente proibido e contestado pelos religiosos homofóbicos que de uma forma alienada, pensam que estão debaixo da vontade de um deus qualquer! Tanto o Silas quanto todos os seus seguidores costumam pregar que o deus deles abominam ou aborrecem as “práticas” homossexuais – o que não torna tal afirmação um verdade absoluta.

Agora tanto o Malafáia quanto os seus seguidores evangélicos estão correndo contra o tempo para “desfazerem” o que já é de direito à todos os homossexuais, mesmo a decisão do STJ não se estendendo a todos os homossexuais (ainda)!

Foi a primeira vez que o STJ admitiu o casamento gay. Outros casais já haviam conseguido se casar em âmbito civil em instâncias inferiores da Justiça. Neste caso, porém, o pedido chegou ao STJ porque foi rejeitado por um cartório e pelo Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul.

O primeiro casamento civil no país ocorreu no final de junho, quando um casal de Jacareí (SP) obteve autorização de um juiz para converter a união estável em casamento civil.

Esperamos que todos os cidadãos brasileiros que realmente tomam conta da sua própria vida e deixam a dos outros de lado, não tome por exemplo a este senhor homofóbico e – dando prova de “amor ao próximo” – aplaudam as futuras decisões judiciais a favor dos nossos queridos homossexuais, os quais buscam incansavelmente o direito de serem felizes!

Por Andrea Foltz.

====================================================

ANOTHER DEFEAT OF SILAS MALAFAIA!

 

Hey, guys! Pastor Silas Malafaia does not walk very well with his “god”. After much prayer and fasting wherefore Jehovah prevented citizens from marrying because they are lesbians, the “pastor” did not do a comment of protest – in the program Victory in Christ this past Saturday (29/10) – after the decision of the Supreme Court. I would like to advise the Silas Malafaia that in view of the defeats and disappointments he has suffered, although the title of your program could be changed to Defeat in Christ!
First see the appeal of the homophobic pastor to his followers:

The Superior Court of Justice (STJ) recognized in the trial concluded on Tuesday (10. 25.11), the civil marriage between same sex. Four of the five ministers of the fourth

class of the court decided to allow the marriage of a couple of southern Brazilian girls who live together for five years and wanted to change the status.

The couple’s lawyer, Paulo Roberto Iotti Vecchiatti, argued that “in private law, which is not expressly forbidden is permitted.” In other words, marriage would be allowed because it is not prohibited by law. But the problem is that! Gay marriage is not prohibited by law, but is expressly forbidden and opposed by religious homophobes [believers] that so alienated, think they are under the will of any “god”! Silas and all his followers tend to preach that their God abhors or hates “practices” gay – which does not make such a claim absolute truth.

Now both the Malafaia as his followers are racing against time to “dispose” what is already right to all homosexuals, even the decision of the Supreme Court will not extend to all homosexuals from Brazil (yet)!
It was the first time that the Supreme Court admitted gay marriage. Other couples have already managed to get married in civil proceedings in the lower courts of justice. In this case, however, the request came to the court because it was rejected by a notary public and the Court of Justice of Rio Grande do Sul.

The first marriage in the country occurred in late June, when a couple of Jacareí (SP) obtained permission from a judge to convert the stable into a marriage.
We hope that all citizens who actually take care of your own life and leave the other side, for example, do not take for example this homophobic pastor and – give evidence of “love thy neighbor” – clap to future court´s decisions in favor of our homosexual ones, who tirelessly seek the right to be happy!

By Andrea Foltz.

====================================================

Aguardem as próximas conquistas!

====================================================

O Sonho do Malafáia:

Read Full Post »

%d blogueiros gostam disto: